sábado, 27 de agosto de 2011

Fissuras de um sertão

Mas se chove demais, eu me alago e permito que velhos sentimentos fiquem empoçados ali. E não é que esteja reclamando, meu bem, e contrariamente, tudo o que peço é que nenhuma dessas poças virem sertão logo mais. Porque quando há sertão, há rachaduras, e é difícil de florir, de cultivar, de cativar. Mas diante da poça, do alagamento, o barco vai longe, flutua rápido e leva com brisas levianas todas as preces.
Desconheço o autor .

3 comentários:

HONORATO,Sandro. disse...

Olá :)
E ai como vai?
Bom,adorei o texto ^^
Bom,acho que estou com certas rachaduras ....

Desejo a ti um excelente final de semana
Beijos e tudo de bom

Luna Sanchez disse...

Há de ter água, fluidez, sentir.

Sempre.

Um beijo.

mfc disse...

...e refecte o céu sempre lindo que nos cobre!